Segunda-feira, 21 de Abril de 2014
Matérias e Notícias
Artes Cênicas
Artes Gráficas
Artes Plásticas
Artes Visuais
Cinema
Cultura & Cia
Editora
Entrevistas
Eventos
História
Instituto Artefato Cultural
Literatura
Música
Política & Cultura
Vídeos
+ Textos
Canais
"Escritos", de Narciso de Andrade
*Vicente de Carvalho - Poemas e Canções
Alfonsina Storni em Português
Certas Cartas
Manifesto pela cultura
Memória Cultural
Outros sites
Poesia Traduzida
Ribeiro Couto
+ Textos
Forum
 
 
 Assinar Remover
    
 ENQUETE 
Você acha que deveria haver um referendo para transferir o Carnaval para janeiro, em data fixa?
Sim. Seria mais organizado e não perderíamos tantos dias letivos.
Não. Já é tradição o Carnaval em data móvel.
Entre em Contato
Contato
Críticas e Sugestões
Informações
Publicidade
Indique o Site
 Certas Cartas
Carta de Mário de Andrade para Manuel Bandeira

São Paulo, 18 de abril de 1925.

 

Manuel do coração,

 

comunico que comprei esta máquina. Se você estivesse aqui era um abraço pela certa, tanto que estou contente. Já se sabe: pelo processo amável das prestações. Engraçado, por enquanto me sinto todo atrapalhado de escrever diretamente por ela. A idéia foge com o barulhinho, me assusto, perdi o contacto com a idéia. Isso: perdi o contacto com ela. Não apalpo ela. Mas isso passa logo, tenho a certeza e agora é que você vai receber cartas bonitas de mim. Afinal: Deus é mesmo muito bom pra mim. Porque essa história de “compro-não-compro: compro” me deu uma comoção e um interesse pra estes dias todos. Por isso não pude pensar muito nesse escandalinho Prudente-Ronald. Senão ele muito me havia de contrariar, tenho a certeza. E agora já sabe: quinze minutos que seja de descanso, estou na frente da Manuela batendo tipo sem parar. Manuela é o nome da máquina, por causa de você. Inventei agorinha mesmo isso. Não refleti nem nada: ficou Manuela. Assim a homenagem saiu bem do coração.

            Você adivinhou o meu desejo, Manuel. Tudo o que você ler de interessante aí, corte e me mande. Eu já tinha sabido do discurso do Alberto em Petrópolis e estava com muita vontade de saber mais alguma coisa sobre isso. Agora sei e acho que vou escrever numa Carta aberta que eu quero que seja engraçada, sensata, irreverente, amiga, camarada, sem nenhum servilismo e bastante justiça. Se escrever dou pra Estética. Vou trabalhar nisso. E vou achar jeito de botar uma respostinha dentro dela pro Tristão. Uma queixa irônica e a minha definitiva repulsa do nome de moderno dado pra mim. Você compreende, Manuel, eu hoje sou um sujeito que tem muitas preocupações por demais pra me estar amolando com essas burradas de modernismo e passadismo. “Eu é que sou moderno!” Ora, isso hoje pra mim não significa coisa nenhuma. Tenho mais que fazer. Não estou fazendo blague, não. É uma coisa que está a cem léguas de mim o modernismo. Que significa ser moderno? A resposta disso é a coisa mais complicada deste mundo ou a mais simples. Juro pra você que não tenho tempo pra vaidadinhas. Vivo. Minha vida é sublime. Começo a achar que o Graça Aranha é o sujeito que mais mal me fez na minha vida porque trouxe o problema da alegria pro Brasil. A verdadeira alegria nem sabe que é alegre. Eu não sabia que era alegre. Agora é que sei. Felizmente que pude vencer o preconceito da alegria por causa da minha intensa vida. Amém! Você não acha que tenho razão? Ser moderno, ser antimoderno, ora bolas! Sou, isso é que é importante. Mas sou conforme o sentimento meu do que vem a ser. Você pela minha obra e pelos meus atos e cartas já sabe o que significa pra mim este verbo divino.

            Me mande todos os artigos do Tristão, não se esqueça. O primeiro é singularmente sensato, por vezes arguto, boa audácia. Um pouco... regionalista. O que são as vaidades, meu Deus! Essa gente do Rio nunca perdoará a São Paulo ter tocado o sino. Não falo de você. Você já não é do Rio. Você já é como eu: do Brasil. Falar nisso creio que vou escrever um poema com este nome. “Louvação de meu Estado natal”. Será clássico e gelado. Ninguém vai gostar, mas eu vou.

            Agradeça a nota da Vanguarda pro seu amigo. Gostei. Já sabe: não é por ser pra mim, é porque está bem escrita, é sincera, e verdadeira como sentimento, pronto: a simpatia já começou.

            Agora o escandalinho. Estive ontem com o Prudente. Preveni-o do que vai pelo Rio, menos naturalmente que a desgraçada crítica me prejudicou. Eu não tive a mínima influência nisso, nem como na Estética publicar artigos sobre o Osvaldo. Ao contrário, me recusando sempre a aconselhar, dessa vez aconselhei calma e cuidado. Calma tiveram porque o guampaço saiu rijo. Prudência não tiveram. Mas quanto mais eu penso, Manuel, mais acho que os rapazes tiveram razão. São muito moços e é na casa dos vinte que as desilusões são insuportáveis e o sentimento da justiça mais puro. Depois a gente já começa a descobrir meios de acomodar as coisas porque já vai carecendo de calma. De paz até com os homens de má vontade. Fizeram bem. Foram lindos. Não me prejudicaram, não. E não pense que eu vou abandonar a amizade pelo Ronald. Isso é impossível pra mim. Se ele não me procurasse mais, eu iria procurá-lo. Os meus orgulhos são de mim, não são do mundo. Se eu procurasse a justiça no veredicto dos outros e não de mim mesmo fazia muito já que, não sei não, ao menos seria um desinfeliz. Você me mande contar os dizques sabidos aí. É só pra que eu me previna. Os rapazes não praticaram nenhuma “gaffe” como você diz. Porque é muita vilania demais se pensar, pessoa que me conhece, que eu seria capaz de ficar por trás, mandando os meninos escoteiros, apreciando o efeito. E se não fosse a vilania que inclui esse ato eu encampava agora a opinião que eles tiveram a coragem que eu não tive de dizer publicamente. Não praticaram nenhuma “gaffe”, me deram uma lição, isso sim. Se eu não tivesse sido covarde, mandasse a minha opinião pra Revista do Brasil em vez de pro Ronald, os rapazes não estariam sofrendo o mau conceito em que se meteram de escoteiros sacrificados dum terceiro astucioso. A culpa foi toda minha e se eu não tivesse medo que me tomassem o gesto por quixotada romântica, pedia desculpa. E que se deve dizer então disso do Ronald chamar o Sérgio e confessá-lo pra que ele caísse de joelhos pedindo perdão e botando toda a culpa no companheiro! Meu Deus! pois então se pode fazer uma coisa assim quando a gente possui um pouco acima das vaidades um sentimento de respeito ao menos pra consigo mesmo! O Ronald não fez bem. E eu queria muito saber como o Graça classifica isso, segundo o artigo que publicou no primeiro número da Estética. Isso é procedimento muito mais daqueles mulatos que a literatice dele inventou pra antítese besta do moço-de-hoje que ele também inventou... literariamente. Bom. Basta de tristezas, Manuel. Eu estou profundamente triste. Felizmente que a Manuela vai disfarçar isso.

            Li só uma vez os poemas de você. Primeira impressão deu plena, 8, pra “Mulheres” e “Pensão familiar”, e distinção com louvor pro “Não sei dançar”. Porém não digo que as notas fiquem essas. Deixe eu ler num dia mais meu e vai carta. Agora não posso mais de sono. Anteontem demos uma festa sublime pra Dona Olívia. Sublime sem nenhum exagero. Que crianças que somos, você nem imagina. Era dia claro, seis e meia quando cheguei em casa. Trabalho. Ontem conversei com o Prudente até uma e meia. Imagine que abraço mole sai este.

 

            Mário.


[ Enviar para um amigo ]   [ Home ]   [ Voltar ]   [ Topo ]


Comentários
 24/10/2008 - Ary Carlos
 Bairro: Bela Vista Cidade: São Paulo/SP
 Desculpem. Mas ainda andam a falar desse Mário? Que grande lixo esse cara. Só escreveu bosta. Acordem, por favor. O melhor da literatura brasileira nunca foi aquilo do "modernismo", as outras escolas literárias possuíram escritores de verdade, já o "modernismo" brasileiro só possuiu a ralé das letras.



Faça seu comentário sobre o assunto.
Veja todos os comentários sobre o assunto.


  Últimas Notícias
30/9/2009 - Carta aberta de Danielle Mitterrand, sobre a amante do marido
10/8/2009 - Carta de Cecília Meireles a Augusto Méier
15/7/2009 - Carta de Clarice Lispector para Fernando Sabino
3/6/2009 - Carta de Zelda para Scott Fitzgerald
8/5/2009 - Carta de Mariana Alcoforado a sua Mãe
17/4/2009 - Primeira carta de Rainer Maria Rilke a Franz Xaver Kappus
17/4/2009 - Carta de Louise Michel para Victor Hugo
31/3/2009 - De Vinicius de Moraes para Calazans Neto
24/3/2009 - Carta de Ana Cristina Cesar para Ana Candida Perez
21/11/2008 - Carta de Carlos Drummond ao genro, Manolo Graña